História
A Escola de Medicina da Universidade do Minho (EM-UM) nasceu em 2000 como Escola de Ciências da Saúde. A cerimónia do 16º aniversário, celebrada a 10 de Outubro de 2016, marcou a mudança do nome desta instituição.

O curso de Medicina abriu portas no ano lectivo 2001-2002 e os primeiros médicos aqui formados saíram em 2007, facto que foi celebrado a 8 de Outubro de 2007 – seis anos antes, neste dia, foi proferida a aula inaugural do curso.

A EM carateriza-se por uma cultura própria que promove os valores e a organização. A sua identidade é marcada pela solidariedade e coesão, pela cultura da avaliação e pela transparência e responsabilidade social.

 
Solidariedade e coesão:
A Escola de Medicina orgulha-se de promover o espírito de colaboração entre os profissionais envolvidos nos projetos de Ensino - o corpo docente, de funcionários, de alunos e de clínicos que colaboram na docência - e de Investigação - os investigadores de carreira, funcionários, bolseiros, estagiários e investigadores visitantes. Em termos organizacionais, a EM estimula de várias formas as colaborações interdisciplinares, tanto na investigação como no ensino. ​

A inexistência de departamentos promove a interação entre o corpo docente, e a ligação entre a docência e a investigação acontece a vários níveis, de que são exemplo os projectos de investigação levados a cabo pelos alunos de medicina no Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS).

 
Cultura de avaliação:
A avaliação é assumida como uma componente essencial da EM, havendo vários mecanismos periódicos realizados internamente para este efeito, desde a recolha de apreciações de alunos sobre virtualmente todos os aspetos da sua experiência na EM até à criação de um referencial interno que baliza os objetivos e condições para progressão na carreira do seu corpo docente.

O acompanhamento da EM e do ICVS por Comissões Internacionais compostas por peritos de renome nacional e internacional é uma iniciativa que a EM considera fundamental para a sua permanente atualização.

 

Transparência e responsabilidade social:
Entendemos que as escolas de medicina devem estar disponíveis para prestar contas à sociedade pela qualidade do seu trabalho. Por sua iniciativa, a Escola de Medicina compila anualmente elementos de autoavaliação que disponibiliza no seu portal sob a forma de relatórios anuais ou bianuais. A EM apresenta regularmente os seus resultados educativos ao nível pré-graduado em reuniões internacionais de peritos em Educação Médica.